PASSO A PASSO DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL
Estimulando o desenvolvimento de quatro a seis meses

    O período que se segue a partir dos quatro meses é crucial para a consolidação dos dois principais elementos que verdadeiramente definem a inteligência do homem e o distingue dos animais irracionais: a descoberta da manipulação e a estruturação da inteligência verbal.

    Neurofisiologicamente, a inteligência é conceituada como capacidade associativa e, anatomicamente, depende das conexões entre as células cerebrais que se estabelecem nesta idade. A capacidade para associar estímulos provenientes de diferentes regiões do cérebro promove o desenvolvimento de áreas de integração, onde as informações são processadas com base nas experiências prévias em busca de padrões comparativos, seja para estruturar conhecimentos, seja para resolver problemas do cotidiano.

    A manipulação é atributo exclusivo do homem. É através dela que podemos não só avaliar tridimensionalmente os objetos, como também perceber a sua textura, peso e detalhes. Associando as informações táteis com as informações visuais e auditivas, o cérebro cria um conceito sobre o objeto manipulado. Surge, então, a experimentação, novas informações são adicionadas e o objeto se transforma em uma ferramenta com uma função. Ferramentas criam novos objetos que vão enriquecer ainda mais a experiência humana, cujo potencial ilimitado nos trouxe até as maravilhas da vida moderna.

    Para administrar a formação dos conceitos, o cérebro precisa associá-los a significados. Os significados são maneiras de simplificar e dinamizar o trabalho associativo, facilitando o raciocínio. Desta maneira, o atributo verbal relacionado ao objeto passa a representar mentalmente todos os outros atributos. Estrutura-se, então, a linguagem ou inteligência verbal, que, muito mais do que simples convenção idiomática ou meio de comunicação, é uma representação mental organizadora de todas as outras experiências de vida do indivíduo. A criança começa a se tornar um ser lingüístico, estruturando e programando neurolingüisticamente o raciocínio. A maneira de estimular e reforçar o processo é muito simples, mas de importância capital.

    1. Estimule a manipulação.

Forneça ao bebê objetos fáceis de serem agarrados e que despertem a curiosidade, que sejam, de preferência, coloridos, que produzam sons agradáveis à manipulação e de diferentes tamanhos, formas e texturas. Comece com os objetos mais simples, com menos facetas a serem exploradas, e vá aumentando a complexidade paulatinamente. Deixe que a criança brinque com ele quanto tempo quiser.

    2. Associe significados.

    Você vai notar que, durante os passeios, o bebê vai aumentar gradativamente o interesse pelo nome dos objetos. Preste atenção quando isto estiver acontecendo, aponte e repita o nome do objeto, até que a criança demonstre interesse por outra coisa. Ao mesmo tempo, ela vai demonstrar grande prazer pela brincadeira e começar a solicitá-la cada vez mais freqüentemente. A brincadeira de esconde-esconde também ajuda a fortalecer as associações. Mostre um objeto interessante, fale o nome devagar várias vezes, esconda o objeto e pergunte por ele. Isto vai estimular a criança a formar a imagem do objeto em sua mente, a partir do nome, ou seja, interpretar o significado das palavras. Atividades simples representadas por verbos também começam a ser compreendidas, como mamar, subir, descer, andar, e podem ser ensinadas ou representadas teatralmente.

    3. Fale de maneira correta.

    Ao falar com a criança, evite simplificar o vocabulário. Fale frases completas, de maneira gramaticalmente correta, conjugando os verbos de forma adequada. A estruturação lingüística está consolidando-se neste período e os vícios de linguagem adquiridos agora podem ser difíceis de se corrigirem mais tarde.

   4. Escore a criança sentada. Coloque-a no andador.

    A grande aquisição motora nesta fase é a postura sentada. Escore a criança sentada no chão com travesseiros, enquanto brinca com ela. Progressivamente, ela vai fortalecer a musculatura e adquirir coordenação motora para permanecer sentada sem apoio e começar a se deslocar pelo ambiente, preparando-se para nova etapa de vida. Deixar a criança no andador também é uma experiência ótima para ampliar-lhe as perspectivas e contribui para melhorar a corporeidade dos membros inferiores.